O primeiro trimestre passou voando…

Publicado agosto 14, 2012 por mamaedeverdade

Parece que foi ontem, mas já faz um tempinho hehe

Não tive enjôos, mas praticamente todos os alimentos me repunavam, então não comia quase nada e emagreci 2 kgs nessa fase. A barriguinha sutilmente começava a apontar (pode até ter sido psicológico) e eu lembro de ter uma ansiedade monstro pra saber o sexo, que “parcialmente descobri” com 12 semanas. O médico havia dado um palpite, com 75% de probabilidade de ser menina. Nossa, como fiquei feliz, porque sempre que perguntavam eu dizia que tanto fazia, menino ou menina, mas no fundo, no fundo, rezava pra ser uma menina. Depois que saímos da eco, fomos tomar um café e lembro que meu marido caiu no choro, diz ele que de felicidade hehehe

Outros sintomas que lembro de ter tido foram dores no seio, cansaço absurdooo, sono, sono e mais sono e um apego gigante ao meu marido (dizem as más línguas que esse apego todo é quando a gravidez é de menina, e vice versa), eu queria passar grudada no meu marido o dia todo e isso não era nada normal pra mim… E fora isso tudo, como não poderia faltar, o choro direto e constante por TODOS os motivos do mundo, sejam eles bons ou ruins!!!

No meio disso tudo, estava meu marido que coitado, não fazia idéia de nada disso e muitas vezes achava que eu estava exagerando ou me aproveitando do estado “de graça”, não foi nada fácil pra ele…

Outro ponto importante desse primeiro trimestre foi a primeira eco, com 5 semanas. Eu estava desatinadamente nervosa pra ouvir o coraçãozinho bater, e consegui. Lembro de ter ficado tão nervosa, que não conseguia demonstrar sentimento algum, sempre achei que fosse chorar muito, mas por incrível que pareça, não chorei em nenhuma eco. Ficava sempre muito emocionada mas não conseguia chorar, acho que tinha um medo tão grande de ver se estava tudo bem, que ficava paralisada quando via a imagem do meu “girininho” no ultrassom.

Hoje quando fui escrever esse post, me dei conta que não tirei uma foto sequer da barriga nas 12 primeiras semanas e me arrependo, por isso agora sempre aconselho as mamães a tirarem foto toda semana, acho que vale a pena pra matar a saudade e ficar comparando depois.

Tô grávida!

Publicado agosto 11, 2012 por mamaedeverdade

A descoberta da gravidez foi bem surpreendente, pois eu não imaginava. No dia exato para descer a monstra, ela veio. Muito pouco, é verdade, mas veio. Mais um mês que se vai, pensei. No outro dia não veio nada, no próximo me deu um estralinho, será dessa vez… Fui quieta fazer um teste e depois fui trabalhar, ao final do dia, havia esquecido de ver o resultado, lembrei ao falar com um cliente ao telefone. Quando acessei o site e vi o resultado positivo fiquei muda, pálida, sem acreditar. Eu estava em casa trabalhando e meu marido chegou logo em seguida, mostrei pra ele a tela do computador e ele sem ler, me dizia: calma, não é nada! Desliguei o telefone e gritei: como calma, tô grávida! pulamos, nos abraçamos, mas eu ainda não acreditava, então liguei para médica que confirmou: parabéns, você está grávida! Ô emoção, poucas coisas são parecidas com esse momento!

Porém, junto com o parabéns a médica deu o recado: ok, mas agora calma, pois a gravidez só se confirma mesmo após ouvir os batimentos do feto no ultrassom. Ahh que angústia, já comecei a pensar em mil coisas, e se fosse gravidez fora do útero ou qualuqer coisa assim… acho meio inevitável que esse medo não apareça, principalmente quando a luta e a vontade de engravidar é tão grande.

Ao mesmo tempo em que fiquei estonteantemente feliz, fiquei também muito nervosa, pensava e agora o que vai ser, como vai ser, vou ser uma boa mãe, todas essas perguntas típicas que rodeiam nossa cabeça o tempo todo durante a gestação e depois também… Pra se ter idéia, o nervoso era tanto que meu marido me preparou chá de camomila, ah que nervoso gostoso!

Enfim, mesmo com tanta alegria, a ansiedade e o nervosismo também estavam presentes nesse momento tão especial!

Vamos começar do início…

Publicado agosto 2, 2012 por mamaedeverdade

Eu vou começar contando aqui como foi minha luta para engravidar. Levei 9 meses para conseguir, e isso porque existia uma pulguinha me dizendo que havia algo errado, pois se dependesse da médica na época, provavelmente estaria até hoje tentando…

Depois de ser encaminhada a uma especialista em fertilidade, fazer todos os exames possíveis(eu e meu marido), quase morrer de angústia a cada resultado e nem sempre ouvir o que queria, finalmente fui encaminhada a uma videolaparoscopia onde descobri ter endometriose, miomas nos ovários e pra ajudar, uma das trompas não funcionava, me restava tentar com a outra…

A médica me deu 3 meses para engravidar após a cirurgia, senão iríamos para a FIV. Por obra de Deus foi gol já no primeiro mês de tentativas, e acredito que tenha sido nesse justamente porque jamais imaginei que seria logo então estava um pouco relaxada nessa época (digo um pouco, pois quando se é treinante nunca relaxamos completamente).

Enfim, foram 9 meses bem difíceis, onde cada mês “no vermelho” era um sofrimento sem tamanho, e o pior é que muitas vezes tentei esconder das pessoas que estava tentando, dizia que não queria agora, não era a hora, quando na verdade eu queria gritar minha vontade, até porque todo mundo perguntava sobre filhos a todo momento…

Pior era o marido entender o que se passava na minha cabeça, tentava me consolar de todo tipo, mas no fundo também estava sofrendo, e cada vez que ele dizia: acho que tu tá grávida, eu queria morrer, porque se não fosse, eu teria que informar mais uma vez o meu “fracasso”.

Sei que tem mulheres que levam muito mais tempo pra engravidar, eu também teria levado, mas como disse, eu fui bem cedo procurar ajuda especializada, por isso deu tão certo. Então, fica a dica!

E pra começar…

Publicado agosto 2, 2012 por mamaedeverdade

Resolvi criar esse blog para dividir as famosas e as nem tão famosas questões da maternidade de uma forma muito verdadeira, expondo os sentimentos como eles realmente são, ao menos para a maioria das mamães. A maternidade é maravilhosa, mas também traz muitas angústias, dúvidas, culpas e sofrimento. A intenção é tratar principalmente de sentimentos que nem sempre as mamães tem coragem de falar…